segunda-feira, 3 de maio de 2010

O primeiro a gente nunca esquece...

Quase todas minhas amigas já tinham beijado... E eu, do alto dos meus 12 anos, ainda era BV (boca virgem). Se bem que, nos anos 80, essa expressão nem existia... Eu ainda não tinha beijado de língua e ponto final! Selinho eu já tinha dado aos montes, porque sempre fui muito namoradeira. Meus namoros de criança nunca eram inocentes, tinha que rolar selinho. Lembro do meu primeiro namorado, o Marlan, quando eu tinha uns sete ou oito anos. Minha mãe – esse poço de inocência – me deixava ir brincar sozinha na casa dele. Chegando lá, o menino me atacava, rsrsrs. Mas não passava do selinho, claro.

Depois de muitos namoradinhos na escola, tive o último da minha fase inocente, o Cacá. Ele havia sido meu ex, mas, aos 11 anos, voltamos a namorar. E eu, já mocinha, estava crente que agora a coisa ia esquentar. Um belo dia, o Cacá me pediu um beijo. E eu, cheia de má intenção, levei minha boca até pertinho do rosto dele. E não é que ele me deu apenas um selinho? Fiquei passada! E mais passada ainda fiquei quando ele, no dia seguinte, terminou comigo alegando que eu não sabia beijar. Vai entender os garotos!!!

Um ano depois, então, eu ainda amargava a aridez da minha boca, que ansiava por um beijo real, um beijo de língua! Com apenas 12 anos, eu já tinha muita liberdade. Ia sozinha com minha turma de amigos à praia do Flamengo (o famoso Brejão) e, lá, conheci mais e mais gente. Parte desse pessoal era do grupo jovem da Igreja Santíssima Trindade. E, para a minha mãe, não havia mal algum eu estar sempre com eles. Galera de igreja, sabe como é. (Sabe como é coisa nenhuma! Esses são os piores, haha!)

Pois bem, a turma da praia era formada por jovens de todas as idades. Eu devia ser uma das mais novinhas. Mas tinha também gente com 17, 18 anos... E um deles era o Márcio. Um cara charmosinho que começou a me dar o maior mole. Eu tinha 12; ele, 18. Nos dias de hoje, Márcio correria o risco de ir preso como pedófilo. Mas, naquela época, eu era uma mulher de 12 anos (com corpo e cabeça de mulher) e ele era um garoto de 18 anos (infantil como a maioria dos rapazes...).

Reparei que ele estava a fim de mim. Comecei a dar condição. E foi ali, sobre as areias escaldantes do Brejão, em plena luz do dia, que eu dei o meu primeiro beijo. Esquisito como todos os primeiros beijos. Áspero e tenso como todos os primeiros beijos. E dado muito mais para mostrar às amigas que eu também já beijava, do que propriamente para atender a um anseio do coração.

Como acontece com a maioria dos adolescentes na sua despedida de BV, tinha uma plateia assistindo à cena. Depois, voltando para casa, não demorou para minhas amigas me pilharem: “Ana, você tá maluca? O Márcio tem mau hálito!!!” E eu: “Maluca estão vocês! Se eu, que cheguei a menos de um centímetro de distância dele, não senti mau hálito algum, como é que vocês sentiram?”

O fato é que tomei um balde de água gelada. Como assim? O cara que eu beijei pela primeira vez tinha mau hálito???? Caí na pilha... É claro que elas estava me zoando, mas fiquei atordoada... No fim de semana seguinte, não fui à praia porque estava morrendo de vergonha. Mas resolvi ir à missa dos jovens, no domingo à noite, decidida a tomar uma atitude muito importante. Ao final, quando todos os jovens se reuniram para bater papo no pátio interno da igreja, fui falar com o Márcio. Ele me recepcionou com um lindo sorriso e um grande abraço, já querendo partir para mais beijinhos. Mas eu sentenciei: “Não me leva a mal não... Mas quero ser apenas sua amiga...”

Burra, burra, burra!!!!! Mil vezes burra! Eu podia ter tido meu primeiro namorado aos 12 anos, mas, por pilha dos outros, adiei o projeto... Depois do Márcio, acho que fiquei uns dois ou três anos sem beijar novamente. O maior vacilo!!! Mas depois que retomei a prática, não parei mais, rsrsrs...

Por que eu escrevo estas reminiscências da minha adolescência no Flamengo, nos saudosos e deliciosos anos 80? Devia esse post à minha filha Milana, de 12 anos, que tantas vezes riu quando contei para ela sobre minha primeira experiência desastrosa. Desejo que, quando chegar a hora do primeiro beijo dela, que seja um momento mágico e menos atrapalhado! Vai que é tua, filhota!

PS: Achei linda essa ilustração de Maurício Pierro, que encontrei em http://cimitan.blogspot.com/2007_07_01_archive.html. Retratou muito bem o beijo entre adolescentes e suas espinhas... Espero que Pierro considere aqui uma homenagem ao trabalho dele, e não um roubo de direito autoral...

8 comentários:

sidney ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sidney ferreira disse...

Meu primeiro beijo na primeira namorada chamada Mônica, foi meio decepcionante. Tinha platéia, claro, tinha uns 11 anos e eu estava tão nervoso (ô timidez danada) que nem senti a boca da guria... Sensação de dormencia total na cabeça, boca... mas foi(o segundo foi melhor um pouquinho, e no terceiro ja estava relaxado e curtindo).
Como sempre, adorei o texto pq me fez viajar nesta experiência inesquecível do inicio da vida amorosa(?).
Ah! quanto a timidez, nunca mais encontrei com ela, e continuo beijando muuuuito, graças a Deus!
Parabéns mais uma vez, minha escritora preferida!
beijos

Fernando Freire Jr. disse...

Precoce a moça! Nos anos 80 aos 12 anos não costumava rolar beijos... rsrs
Tendo em vista que eu já confessei varias coisas no meu blog aqui vai mais uma: meu primeiro beijo d elíngua foi com 14 anos, numa vizinha de 13. Que sensação horrorosa, de estar chupando uma lesma (eu já tinha comido escargot aos 14), só que sem a manteiga de ervas! Não saí correndo pra não pagar mico. Só que no dia seguinte eu queria mais! Vai entender a tenra juventude! Adorei este post confessional! Fiquei com vontade de mais!
Beijos!

TBrigada disse...

Muito engraçado... É curioso como a gente é bobo e faz cada coisa, né?
Vou contar o meu primeiro beijo tb.
Era o ano de 1995. Eu tinha 14 anos. A menina tinha 12, era uma série abaixo da minha. Nos conhecíamos já, até que um dia uma amiga em comum disse que ela estava a fim de mim. Logo fui falar com ela, num misto de nervosismo e coragem. Ela pediu um tempo e uma semana depois, enfim, nos encontramos para conversar, decidindo ir para a biblioteca, durante o recreio hahaha
Então, chegamos lá, a biblioteca cheia (claro, mto aluno nerd ia para a biblioteca aeuhueah), resolvemos ir para um cantinho entre duas estantes. Ao chegar lá, ela tirou o aparelho móvel dela haha Guardou na caixinha e, então, a segurei pela a cintura, aí ela perguntou se eu queria bala, mostrando que estava na boca dela. Inocente, disse que não queria haha Aí aconteceu naturalmente, nos beijamos uma, duas, três vezes... e o recreio acabou, pois tocou a campainha ! Nos despedimos e... nunca mais ficamos! Que absurdo, culpa minha! É que eu era tão, mas tão bobo e inocente, tão sem noção das coisas, que eu pensava que ficar era coisa de uma vez só, de um dia só! Tipo, fiquei com ela, acabou, nunca mais ficaria mais com ela! hahahahahahahahaha é oq dá ser lesado! Algum tempo depois, coisa de um ou dois meses, as amigas dela ainda me procuraram, perguntando se eu não ficaria com ela de novo, se não tinha gostado. Falei que tinha gostado, sim, mas não falava que voltaria a ficar ou não! Acho que já estava com vergonha! hahaha Para piorar... repeti aquela série e acabei caindo na turma dela no ano seguinte: coitada dela! E eu, tapado ainda, nem me dava conta da grande burrada e sacanagem (ainda que sem intenção alguma) havia cometido! Tadinha! O pior é que todos daquela turma sabiam, aí rolavam várias piadinhas ! Coitada :(
Anos depois... Me dei conta do que havia feito com ela! Mas já não tinha mais contato. Até que consigo o e-mail dela de algum modo que não me recordo e envio um extenso e-mail com um grande pedido de desculpas, explicando toda a inocência, a imbecilidade, pedindo muitas desculpas! Ela responde dizendo que na época achou muito estranho, mas que qdo entrei na turma dela, ela entendeu: viu que eu era muito inocente mesmo, que não fora maldade minha hahahhaha que coisa, não ?
Sabe oq é o pior? Não foi com ela o meu primeiro beijo de língua! haha Acho que foi por isso que não a procurei mais, pq eu senti que faltou alguma coisa hehehe
hahaha
mto tapado!

iraciritelle@uol.com.br disse...

Aninha, é mesmo verdade...o primeiro beijo é um desastre! Depois de tanto sonhar, dei o meu primeiro beijo num garoto de nome Toninho com apelido de "franguinho" embaixo de uma imensa árvore, na porta de uma escola e no cair da noite. ECA... detestei.
E não é que tenho parado todas as manhãs embaixo desta árvore para deixar meu filho mais velho pois o transferi recentemente para esta tal escola? hoje mesmo às 7h00 estava me lembrando do tal momento inesquecivelmente decepcionante.
Amei sua confissão

Beijinhos


IRA

Roger Gorini disse...

Primeiro beijo é mole!!!!! Quero ver escrever sobre o primeiro boquete!!!!!!!KKKKKKKKKKKKKKKKKK

Tais disse...

Tia mt engraçada essa história do seu primeiro beijo, amei!!
Bjs

Cláudia Lima disse...

Anaaaaaaaaaa

Meu primeiro beijo foi em Brasília.
Também tinha 12 anos e selinho acho que tinha rolado muito tempo atrás....
Morri de medo e ficava fugindo do Alexandre (o gatinho do pedaço, rsrsrs). Fugi tanto que ele sumiu!!!
Depois não lembro exatamente a sequência, mas BEIJAR É TUDO DE BOM!!!!!!