sábado, 22 de maio de 2010

Os cães também vão para Hollywood

Fiz uma descoberta bombástica essa semana: cãezinhos abandonados têm veia artística! Isso mesmo! Na próxima novela da Globo, ao invés de labradores ou shitzus, melhor compor o elenco animal com um bom vira-lata de rua. Eu fui vítima da arte da interpretação de um deles. Não é que eu me arrependa... Mas levou quase três anos pra minha ficha cair de que a Mel, uma vira-lata linda com jeitinho de setter (como você vê na foto), tinha feito uma pegadinha comigo e eu caí bonito!

Num belo sábado de verão, desci para ir ao mercado quando, na porta do meu prédio, dei de cara com a tal atriz (que até então eu não sabia de seu talento!) estatelada no chão, com a língua pra fora e o olhar mais triste do que o de Demi Moore no filme Ghost. Não resisti e fui carinhá-la. Foi então que a danadinha levantou a cabeça e olhou bem fundo nos meus olhos. Sim! Ela dardejou aquele olhar cor de mel dentro dos meus olhos castanho-esverdeados e eu cheguei a sentir um calor no peito. Era como se ela dissesse: “Me salva, me tira daqui!” Tinha decorado o texto direitinho!

Liguei pras minhas filhas descerem com água e ração. Oferecemos à bichinha e nada. Ela parecia semidesmaiada, com aquela cara de “meu mundo caiu”. Minhas filhas, vendo a cena, eram a extensão da dor da cadelinha (na verdade, cadelona, porque a vira-lata era grande!). Eu precisava fazer alguma coisa. Sem pensar duas vezes, mesmo morrendo de medo de ser mordida, peguei a atriz no colo decidida a levá-la para meu apartamento. Ela nem mostrou resistência. Ao contrário, fez o que talvez fosse o ponto alto de seu espetáculo: amoleceu o corpo nos meus braços e, após uma respiração profunda, pendeu sua cabeça para trás. Merecia o Oscar, não merecia?

Bastou cruzar a minha porta para a máscara cair. A bichinha danou a pular, a correr pela casa, a abanar o rabo, a comer a ração da minha cachorra, a beber água... Estava tão agradecida que dava altos pulos em mim. E eu me sentindo a reencarnação de Francisco de Assis na Terra! Mas e agora? Eu não poderia ficar com aquele animal imenso no meu pequeno apartamento (sem contar que ela tinha colocado minha gata pra correr!). Comecei a ligar pra algumas pessoas e nada. Parei, rezei pra Chico de Assis me ajudar e então, como um milagre, me veio a luz: meu irmão Paulo, que mora numa casa com um quintal maravilhoso! Não deu outra! Melzinha está com ele até hoje e é a alegria de todos. Um doce de cadela, que não precisa mais representar pra conseguir um lar.

Mas como foi que eu descobri que havia sido vítima de uma “Fernanda Montenegro” de quatro patas? Ontem, conversando com uma amiga que adora cuidar de cachorros abandonados, ela me contou a história do Black, uma cão preto que ela viu mancando na rua e não resistiu, acolhendo-o em sua casa. Durante alguns dias, o cãozinho continuou a mancar. Mas às vezes, do nada, andava direitinho, até perceber o olhar de minha amiga e voltar a recolher a suposta patinha machucada. O jeito foi levá-lo ao veterinário. E aí veio a revelação: “Isso é teatro!!! É muito comum os cães abandonados fazerem isso e outras artimanhas pra conquistarem um lar. Ele ainda está mancando porque quer ter certeza de que você não o devolverá pras ruas.” A veterinária estava certa: Black nunca mais mancou e virou o xodó de minha amiga.

Enquanto ela narrava essa história digna de um Globo Repórter, eu fui ficando azul, lilás, rosa-choque... Quer dizer que a danada da Melzinha tinha me passado a perna? Me usou pra sair das calçadas? Filha de uma cadela!!!!!

Sorte da Mel que eu adoro teatro e sou uma grande apreciadora da arte de representar. Para ela, dou o prêmio de atriz revelação. E, em troca, Melzinha me dá muito carinho até hoje, sempre que vou à casa de meu irmão. Palmas que ela merece!!!

15 comentários:

Roger Gorini disse...

Impressionante mesmo! Cães capazes de atuar desta forma são tão convincentes quanto a fêmea da espécie humana...rsrsrs No começo, cabecinha no ombro, languidez, fragilidade, boquete completo..... depois... bem, depois todo mundo já sabe...
Prôôôôaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Beijos....

Tais disse...

Tia, a Mel é um amor de cachorra.Quando eu chego na casa do meu pai ela pula em mim como se eu fosse a dona dela!!!
Mas ela adora mexer num lixo sabe!!!
É bem levada!!HAHAHAHA

ira disse...

É uma grande emoção "fitar um cão"
Dá mesmo aquela quentura na alma pois seu olhar translúcido nos invade e descobrimos a beleza de AMAR! Tenho uma amiga que acolheu uma cadela também, encontrada solitária em uma praça. Ela trazia no pescoço uma coleira tão nova que tinha até o preço pendurado nela. Achamos que seu ex dono quis mostrar que ela era de família. Adivinha o nome dela... MEL. muito legal este texto!

Anônimo disse...

Adorei!!!!!!!! Cohecer o seu blog foi tudo de bom. A Mel é linda, você é linda, VIVA O AMOR!!!!!
Todos os dias agradeço a Deus por colocar em meu caminho, esses peludos, são os anjos de quatro patas. Não existe quem nos ame mais do que eles. Muitos beijos no seu coração.Rosi

Ana Lúcia Prôa disse...

Amigos, para quem não sabe, a Rosi (do comentário acima) é a "mãe" do Black, personagem deste post. Foi uma conversa com ela que me inspirou...

Valeu, Rosi!!!!!!!!!!!!!!

Fernando Freire Jr. disse...

Passei minha infância convivendo com cães e gatos na casa de meus pais. E posso atestar a veracidade dessa veia artística de ambos, com uma pequena vantagem par aos cães, cuja musculatura facial permite muito mais variações de expressões do que os gatos. Mas estes por sua vez não ficam atrás! Quem não se lembra da cara de triste e pidão do gato de botas no desenho do Shrek? Pupilas dilatadas fazem um belo efeito! E eu sou vítima desse talento deles tb!
Amei!
Bjs!

Panhoca disse...

Eu também tenho 2 atrizes em casa: a Kika e a Keka!!! E posso garantir uma coisa, mesmo tendo sido enganada agradeço todos os dias pelas minhas atrizes!!!
Beijosss

alessandra costa disse...

Vc só esqueceu de mencionar que além de abandonada, a Melzinha ainda estava gravida!
Mas com teatro ou sem teatro ela é a nossa Melzinha e nós a amamos muitoooo e agradecemos a Deus por ter colocar ela no seu caminho naquele dia!
BJS!!!!

Ana Lúcia Prôa disse...

Alessandra (minha cunhada, "mãe" da Mel), eu não quis comentar da gravidez da Mel porque essa é uma outra história... Dá outro post com certeza, kkkkk!

Beijos!

Cláudia Lima disse...

Nem preciso dizer que apesar de já saber da história, fiquei apaixonada.
Umas amigas adotaram uma gatinha (indicada por mim claro!) que estava com a perninha quebrada.
Hj ela só manca quando percebe que tem alguém olhando e é a mais esperta de todos os 4 gatos que elas têm.
Não sabe como me deixa feliz mais um resgate bem sucedido!!!!!
Beijão

MISS TALBET disse...

Gente, que ingenuidade minha! Eu sabia que os cachorros sao mimados e sabem exagerar reacoes mas fingir? Esse mudo ta perdido! Nao se pode mais confiar em ninguem mesmo! :)

millah ♥ disse...

kkk, nossa adorei!

Carla Sena Leite disse...

Aninha,
Acredito, acredito, acredito. A minha cachorrinha só falta falar quando quer alguma coisa.
Bjs

TBrigada disse...

Nossa, Ana! Surreal isso!

Anônimo disse...

Ai, que linda!!!!!!!!!! É engraçado e triste ao mesmo tempo, como q eles fazem de tudo pra ter um lar. Eu amo esses bichinhos, viu? A Cacau destrói tudo em casa mas nãotem como não amá-la....rsrs