segunda-feira, 5 de abril de 2010

Passado, presente e futuro

Ela andava angustiada... Muitas vezes se pegava com o olhar perdido, mirando o nada. Em seus pensamentos, corriam passado, presente e futuro. No passado, lembrava da paixão que sentira anos atrás quando o encontrou. Algo tão súbito e tão intenso. Uma sensação maravilhosa de preenchimento que achava que nunca acabaria. Mas acabou e veio o presente. Um vida repleta de atribulações, de incertezas. A paixão já havia esfriado fazia tempo, dando lugar ao amor. Mas agora até o amor baqueava. Por que as gentilezas rarearam, por que a presença se tornou inconstante, por que o elogio não saía mais daquela boca, por que a admiração não estava mais em seus olhos? Por quê? Por quê? Por quê?
Eram essas perguntas que gritavam em sua consciência quando seus olhos se perdiam no horizonte. Dava vontade de entrar no túnel do tempo e consertar o exato momento em que a primeira briga aconteceu, para que não houvesse jamais qualquer desentendimento. Dava vontade de ir lá atrás e calar a boca de todas as pessoas que lhe disseram: “Paixão não dura para sempre, muito menos casamento.” Daria um soco no meio das fuças dessa gente! Elas tinham que estar erradas. O chato é que estava começando a acreditar nelas... Esse era seu presente.
E então fechava os olhos e sonhava com o futuro... Se via encontrando um novo alguém. Uma pessoa que lhe fizesse rir, com quem adorasse conversar, com quem amasse estar junto até o sol nascer e depois disso. Uma pessoa especial que a olhasse de forma às vezes até constrangedora, tamanha a admiração que sentia por ela. Uma pessoa que lhe despisse com os olhos, prometendo – sem falar – momentos inesquecíveis de paixão. Um companheiro de verdade que a buscasse na porta do trabalho de surpresa e que a levasse para caminhar no calçadão sob a luz da lua cheia em plena quarta-feira. Alguém para toda a vida.
Mas então abria os olhos e voltava ao passado. Todas essas características estiveram nele, seu parceiro atual. Perdidas lá atrás...
É... talvez não adiantasse mudar o personagem. O roteiro já estava traçado. Tudo se repetiria... Paixão, amor terno, amor morno... incertezas. Se houvesse uma pessoa a ser mudada, era ela mesma. Ser mais dócil, mais companheira, mais caliente... Tentar trazer de volta aquele homem que a havia encantado anos atrás e que, provavelmente, também devia estar andando com o olhar perdido pensando para onde seu casamento estava se encaminhando...
Seria possível se reapaixonarem? Era preciso regar o presente, para colher esse futuro. E se ainda assim a plantinha não florescesse? O jeito era replantar a raiz em outro vaso e começar tudo de novo... Mesmo sabendo do inevitável ciclo do amor, valeria a pena.

12 comentários:

Fernando Freire Jr. disse...

Eu enxergo os relacionamentos mais ou menos assim. Tanto qu enunca disse que meus relacionamentos deram errado. Eles deram certo pelo tempo que duraram. Com a mãe de meu filho foi assim. Veio a paixão, depois nasceu o amor e depois este se foi, dando lugar a amizade - o amor sem sexo. Então o amor eterno não existe? Claro que sim! Amor eterno é aquele cujo ciclo de vida é maior que o das pessoas envolvidas na relação. Elas morrem antes do fim do amor. Não é mais fácil encarar assim? Não ficam culpas e mágoas que pesam e tornam nossa caminhada tão penosa!
Amei, mais uma vez!
Beijos nas bochechas!

Marcio Bruno disse...

Quem disse que casamento não dura pra sempre? A paixão pode diminuir, o amor se transformar em amizade o sexo ficar diferente mas a familia continua e mudar as coisas so depende dos proprios personagens, mudar tanto pra melhor quanto para pior. Voce ja me disse uma vez que não adianta reclamar, se tem alguma coisa errada cabe a voce mudar, não esperar que o outro mude. Ele perceber a mudança e querer mudar também é apenas uma consequencia, mas cabe a VOCE mudar o que te incomoda. Então corre atras, mude o que precisa mudar e redescubra o amor que voces tem um pelo outro. Campanha mantenha sua familia unida amando os seus.

P.S. Eu sei que muitas vezes o caminho mais facil é tentador, mas nunca é tarde para enfrentar um novo desafio.

Beijos

Cláudia Lima disse...

Anita,

Quem nunca perdeu o olhar no horizonte pensando neste ciclo? É dificil encarar que ele realmente existe e que somos nós que temos que fazer com que cada BOA fase dure o maior tempo possível.
Regar antes de murchar....
Adorei!
Bjs

TBrigada disse...

Adorei mto esta frase "Uma pessoa especial que a olhasse de forma às vezes até constrangedora, tamanha a admiração que sentia por ela". Muito, digamos, essencial para um relacionamento em alguns momentos. Tô no grupo que acredita que casamento consiste (ou consistirá, provalvelmente) em paixão -> amor - > amizade.
Eu até costumo só começar a me relacionar com amigas. Já começo pela a amizade, que já vira amor de cara junto com a paixão.
Penso que um casamento deve ter sempre uma admiração mútua entre os dois. Por isso aquela frase é essencial para mim: sem paixão, sem amor, mas com amizade e admiração continua-se com companheirismo e cumplicidade. Fidelidade, para mim, é algo muito reforçado pela a admiração que temos por alguém e que damos para alguém. Assim, tendo admiração mútua, além da amizade (se não houver mais paixão e amor), acredito que o casamento estará sempre salvo.
(acho que tenho ainda traços marcantes de romantismo)

Raquel Maldonado disse...

Ai que lindo, esse é o amor que procuramos, mas que é tão dificil, dificil de achar, dificil de conviver. Mas se vc o encontrou, esteja certa, foi premiada por Deus, por mais louca que essa afirmação possa ser.

LINDONA!

MISS TALBET disse...

OOOtimo texto. Super na mira. Quanto a sua ligacao com a vida real nao vou nem comentar porque realmente nao pertenco ao grupo dos eternos romanticos. Fazer o que...

Mattosquela disse...

Anita, Vc está no período de dúvidas e questionamentos... esse período vem em ciclos a vida toda - graças a deus - não fosse ele não pintariamos o cabelo, não mudariamos de emprego, de cidade, não terminariamos aquele relacionamento que está fazendo mal.
Mas essas questões levantadas nesses periodos muitas vezes, são para encontrarmos a devida mudança que nós devemos fazer em nós mesmas para mudar o que nos cerca.

Por que não Vc o busca no trabalho e o leva para ver a lua, muitas vezes estamos esperando do outro o mesmo que ele espera de nós.

Ooooootimo texto!
beijocas!

georgia cabecos disse...

Ai amiga!! Quem não já passou, passa ou vai passar por isso??? Acredito piamente nas palavras do Márcio.
Seu texto, como sempre, primoroso, me fez pensar na vida com um pouco mais de cuidado!!
Parabéns!!!
Bjs
Geo

Carolina Cunha disse...

Também me pego pensendo na "eternidade" do amor. Se ela existe ou não. Não sei se os caseis com 30 anos de casados são felizes como aparentam ser. Mas prefiro acreditar que existe e que eu vou encontrar.

Carol disse...

A-D-O-R-E-I seu blog!
Bjos.

Glória Britho disse...

Roberto Freire disse em um dos seus livros: "Não se discute o amor. Quando isso acontece, ele já morreu; estamos apenas fazendo a sua autópsia."

Desses 25 anos de casamento, conclui que ele está certo. O amor é dinâmico, tem vida própria, não depende de discusões. Esse negócio de:
- Eu te amo.
- Você me ama?
- Quanto?
- Até quando?

São perguntas que não frequentam o meu cotidiano com o Paulo e acho que é por conta desse let it be que fizemos bodas de Prata e, se Deus quiser, faremos as de Ouro também.

Para mim, amor a gente vive em suas diversas formas e intensidades a cada dia, sem questionar, só caminhando juntos.

Roger Gorini disse...

Quando conhecemos alguém e começamos um relacionamento, tendemos a achar que será sempre um conto de fadas.... vamos nos amar, casar, ter filhos, envelhecer juntos... mas esquecemos que para que isso se realize é exigido um esforço diário para manter as expectativas. E além: as expectativas devem ser reavaliadas para adaptarem-se a realidade... não se constrói um amor sólido sem alicerces fortes..... um beijo, Prôa!