segunda-feira, 12 de abril de 2010

A mulher que virou Zoto


– Oi, meu nome é Rosiane. Mas pode me chamar de Zoto – disse estendendo a mão a bela mulher de 40 anos, ao ser apresentada a um charmoso cinquentão numa festa.

– Zoto??? Que apelido esquisito... Quer dizer, diferente! O que tem a ver Zoto com Rosiane? Não seria melhor te chamarem de Rosi?

– Ahhh, é uma longa história... Ganhei esse apelido do meu marido. Ou melhor, ex-marido!!!

O cinquentão se animou quando ouviu "ex" e se aproximou mais uns centímetros de Rosiane, para poder escutar melhor aquela história.

– Ganhei esse apelido carinhoso outro dia... E estou engasgada com ele até agora. Por isso resolvi incorporá-lo ao meu nome.

– Me conta, me conta – daqui a pouco o cinquentão ia ter um troço de tanta curiosidade.

– Pois é... Fui à praia com meu filho e meu marido, errr, ex-marido, e não tinha um centavo na carteira. Sabe, sou dona de casa, a profissão mais injusta da face da Terra. Sem salário, sem horário pra entrar nem pra sair, sem folga, sem férias...

– Prossiga, prossiga – o cinquentão estava mesmo ansioso, já imaginando ter aquela mulher em seus braços naquela noite mesmo.

– Então... Eu estava doida pra fumar! Mas, como eu estava brigada com aquele energúmeno mão-de-vaca, não podia dar o braço a torcer e pedir dinheiro pro pão-duro do meu ex.

O cinquentão gostou dos elogios ao ex e se aproximou ainda mais para continuar a ouvir:

– Daí eu pedi pro meu filho pegar dinheiro com o pai, dizendo que era pra comprar um refrigerante. Ainda vi quando o pai disse pra ele: “Esse dinheiro é só seu. Não divida com ninguém.” Com certeza, o ninguém era eu. Mas fingi que nem era comigo... Quando meu filho voltou com o refrigerante numa mão, me passou com a outra disfarçadamente o maço de cigarros. E ao dar o troco ao pai, ouviu a bronca: “Mas não é possível, tem troco a menos aqui.” Meu filho, com medo, se entregou... “É que eu comprei cigarro pra mãe...” Foi então que eu ouvi o desaforo: “Mas eu não te disse que não era pra gastar dinheiro com os zoto?!?!” E foi assim que eu virei... os Zoto!

O cinquentão fez que não entendeu:

– Como assim, Zoto?

– Presta atenção... Meu marido disse pro meu filho que não era pra gastar dinheiro com os outros! Os outros, na boca do pão-duro e ignorante, virou os zoto! Agora veja só você... Eu, uma mulher prendada, ser chamada de Zoto! Foi o fim pra mim...

O cinquentão segurou o riso e se animou... Se chegou mais e mais... Se era o fim para o ex, poderia ser o início para ele. Mas tomou um baldo de água fria quando ouviu a mulher falar cabisbaixa:

– O pior é que eu ainda amo aquele zoto lá...

– Ora, faça-me o favor. O cara te xinga e você ainda gosta dele?

– Ele não me xingou... Esse é o jeitinho dele falar... Não chega a ser bonitinho? – defendeu Rosiane com outro semblante agora, toda lânguida...

– Mas o cara é o maior pão-duro. Pra que insistir no relacionamento com esse mão-de-vaca????

– Peraê!!!! Eu não falei que ele é pão-duro e mão-de-vaca... O cara só é econômico! Você não tem direito de falar assim do meu ex-marido. Quer dizer, do meu marido! E, quer saber, boa noite! Tô voltando pra casa. Vou fazer as pazes com ele – decretou, deixando o cinquentão de boca aberta. E com o desejo murchando feito flor no vaso...

E assim a mulher que virou Zoto correu para casa, para os braços de seu Zotinho... Onde está bem aconchegada até hoje. E ele, deixou de ser pão-duro? Claro que não! Mas se economiza em dinheiro, não economiza no amor que dá para sua Rosiane...

4 comentários:

Mattosquela disse...

Nós mulheres somos capazes de mudar de ponto de vista assim mesmo, em questão de segundos! rs

Que bom não é?
Assim continuamos sendo mistério para os zoto! Daí toda a graça! rs

Beijo

TBrigada disse...

Mulher de malandro, diriam uns.
Mulher sem coragem, dizem zotos. Mulher persistente, alguns dizem.
Mulher insconstante, Zotinho diz?

millah disse...

RsRSRSRSrsrS ADOREI MESMO BJS

Roger Gorini disse...

É por isso que eu digo... bate! Vc pode não saber porque está batendo, mas ela sabe porque está apanhando........