quarta-feira, 10 de março de 2010

Pimenta com gelo


Todos os dias cumpria a mesma rotina. Acordava cedo, tomava banho e saía à rua vestindo seu metro e meio de corpo com calça de tergal, camisa de botão e sapato preto acinzentado pelo tempo. Cabelos perfeitamente penteados para trás e óculos com grossas armações pretas pendendo sobre o nariz.

Chegava na padaria da esquina e se sentava ao balcão. A atendente já o conhecia. “Bom dia, Baixinho. O de sempre, né?” Dois minutos depois estavam à frente dele um copo de leite gelado com achocolatado batido no liquidificador e um misto-quente. Em seguida, a moça do balcão lhe trazia os acompanhamentos: dois cubos de gelo e uma garrafinha de molho de pimenta. Baixinho mergulhava as pedras no leite, mexendo-o bem com um canudo. Milk on the rocks!!! E, a cada mordida no sanduíche, derramava porções generosas de pimenta no recheio.

O que levaria um homem a colocar gelo no leite, ainda mais já estando gelado? O que levaria um homem, às 7 das manhã, a colocar para dentro de si diversos mililitros de molho de pimenta? Essa era a vida do Baixinho... Após devorar avidamente o café da manhã, saía da padaria não sem antes se despedir da atendente e sumia no meio do tráfego em direção ao Centro da cidade.

No serviço, seu dia era pontuado por pequenos e velhos hábitos. Só entrava na firma com o pé direito, começava as atividades apenas após uma partidinha de Solitaire no computador, almoçava no mesmo restaurante – onde o garçom já deixava um vidrinho de molho de pimenta sobre a mesa à espera do cliente fiel –, tomava o cafezinho da tarde com uma colherzinha e meia de açúcar, só ia embora para casa depois de empilhar a papelada do dia no canto direito da mesa.

Voltava ao lar de sempre, vazio como sempre. Ligava a TV, sua grande companheira. Jantava um sanduíche de queijo (com pimenta) e uma Coca (com gelo), enquanto a casa se enchia da presença de tantos rostos e vozes conhecidos pela telinha. Programava o controle remoto para desligar a TV uma hora depois, deitava em sua cama vendo o Jornal Nacional e, antes do “Boa Noite” do Willian e da Fátima, ele já estava dormindo.

Que vida era essa a do Baixinho? Tão sem sal, tão sem tempero... Tão igual a de tanta gente por aí. Restava-lhe temperar seu dia-a-dia com molho de pimenta. E colocar gelo nas bebidas para aplacar sua brasa interna, doida para virar chama, mas contida pelo ar parado da monotonia.

11 comentários:

Fernando Freire Jr. disse...

Você, hein! Um dia eu quero escever assim. Ter o poder de construir um personagem em menos de 40 linhas e dar vida a ele, nem que seja pelos curtos 60 segundos da leitura. No começo a gente identifica ele, porque todo mundo conhece alguém mais ou menos assim metódico, no meio a gente simpatiza com ele, e termina com uma mistura de pena e uma vontade louca de conhecer esse baixinho e encher ele de perguntas. Viu quanta coisa em 1 minuto? Santo shakespeare, Batman!

Marcio Bruno disse...

Por isso que eu não como pimenta, minha vida já é temperada.

Roger Gorini disse...

Muito boa, Prôõõõõõõõaaaaaa!!!!!
E o Marcio não come pimenta é por causa das hemorróidas! rsrsrs....
Beijos!

NUTRI disse...

Anita,

Vc está demais.
A pimenta realmente tem o "poder" de esquentar nosso organismo, bem como todos os alimentos gelados, de "esfriar" (filosofando sobre as propriedades dos alimentos, rsrsrs).
Mas é verdade, os desejos podem ser representados ou traduzidos pelo que temos vontade de "comer".
Costumo reparar muito em como as pessoas comem, e o baixinho seria com certeza alvo da minha análise! rsrsr
Continue, estou adorando....Bjs

TBrigada disse...

"De médico a monstro, todo mundo tem um pouco", foi o que pensei ao ir lendo. hehehehe

Maria Teresa disse...

Oi Anuska,
pimenta e gelo...
gelo e pimenta...
você bem que podia escrever um conto sobre uma alma solitária que nunca comesse pimenta nem bebesse nada gelado mas, num belo dia conheceu este baixinho...
Eu adoraria ler!
Adoro ler tudo o que você escreve!!!
Obrigada, musa inspiradora.
Beijoca

ira disse...

Parabéns, muito interessante este texto e... bem menos polêmico! rsrsrsrs. Quem de nós não conhece uma figura assim "intrigante"
Gostei! continue produzindo pois vc está nos agradando.

Jorge disse...

Prefiro sempre a pimenta, minha amada Anita.
E você tem pimenta para dar e vender

Freddy disse...

Realmente vidinha sem tempero...
Quer apimentar, temperar, a vida tenha filhos!! Melhor coisa do mundo, risos, lagrimas, fraldas, noites insones, vai estudar menino!!
Arde mas é muito bom.
Bom dia a todos

Ana Cristina disse...

Gostei da figura do Baixinho.
Fiquei com vontade de conhecê-lo... rs. Adorei!
Parabéns.

Paulo disse...

Oi Ana,
Depois do fim das oficinas, eu tenho escrito muito pouco, ao contrário de vc que está cada vez melhor.
Este baixinho é um TOC de carteirinha!
Com tanta pimenta na sua dieta(?) o "day after" dele deve ser complicado...
Paulo Borchert