quinta-feira, 17 de junho de 2010

Eu não quero ser brahmeira!

Não, eu não queria escrever sobre a Copa! O tema está batidinho e meio decepcionante... Mas não consigo fugir da mesmice, ainda mais porque AMO COPA DO MUNDO! Pode parecer uma dualidade da minha personalidade. E é! Não suporto assistir a jogos de futebol, nem mesmo do meu amado, idolatrado, salve, salve NENSÃO! Quando me sento diante da TV na missão de torcer por um time, confesso que observo muito mais as pernas dos jogadores do que se eles estão fazendo passes perfeitos...

Mas com o Brasil na Copa tudo muda de figura! Até porque a maioria de nossos jogadores são feinhos de dar dó, rsrsrs... Quando a Seleção entra em campo me arrepio, quando toca o hino me emociono (e canto junto!) e quando sai o gol é meu coração quem sai pela boca. Já chorei mais de uma vez quando o Brasil foi desclassificado e já chorei também quando fomos campeões. Mas, cá entre nós, o que mais gosto mesmo é da farra. Por mais que eu tente atingir o nirvana me transformando numa mulher a cada dia mais zen, viro bicho na Copa! Visto a camisa amarela, vou pra rua, toco corneta e... xi... que vergonha assumir... encho a cara!

E não foi diferente no primeiro jogo do Brasil... Fui com uns amigos pra Praça de Alimentação de um shopping e, quando vi, já tinha perdido as contas de quantos chopes Brahma entornei. Mas não foi bom, não... Exagero tá por fora! Fico imaginando se fui vítima da mensagem subliminar dos letreiros BRAHMA espocando em cada canto do gramado. Tá certo que gosto de beber socialmente (embora cada vez menos...). Mas devo ter sido levada pela onda “sou brahmeiro”, só pode ter sido isso!

Só que eu não sou brahmeira!!!!! Tô fora! No máximo skolzeira, mas, ainda assim, atualmente tô muito mais pra soda zero com gelo e limão. E fico pensando por que cargas d’agua a Fifa aceitou a Brahma como patrocinadora de um evento que deveria ser associado à saúde, não a bebedeiras. Obviamente, como vivemos num mundo capitalista, uma grana preta deve ter rolado pelo gramado verde do futebol... Só assim dá pra entender nossos jogadores nos comerciais da Brahma, vestidos de armadura e se chamando de guerreiros. Eles afirmam – com um copo de Brahma na mão – que, se chegaram ali, foi porque suaram muito (aludindo o suor do exercício físico ao suor da loura gelada...).

Pelamordedeus! Blasfêmia! Quem muito bebe, pouco treina!!! Bem disse o nosso ministro da Saúde hoje, na coluna do Ancelmo, no O Globo, ao afirmar que acredita que o Brasil irá levar o caneco, but... “A única coisa que me incomoda nesta Copa é esta campanha ‘brahmeiro’. A sociedade precisa discutir essa questão. A Copa é um evento que mobiliza crianças e jovens.” É isso aí, Temporão!

Ok, ok... Pode parecer hipocrisia da minha parte levantar essa bandeira, porque gosto de uma cervejinha na hora certa, com as pessoas certas, sem exagero. Mas, sinceramente, acho que esporte é algo que deve ser visto de um ângulo oposto: ele salva os jovens. Tira deles o foco das drogas, da bebida, da vida desregrada... E aí vem um fabricante de cerveja querer associar bebida a futebol... Não dá, gente! Daqui a pouco todo mundo vai achar normal as bebedeiras do Animal, do Ronaldo, do Adriano... E por falar no Imperador, será que não foi o seu excesso de birita que o tirou da Copa?

Tudo na vida tem que ter moderação. Mas há pessoas que, em relação à bebida, não podem tomar o primeiro gole. Pra elas não existe a moderação, só a abstinência. E aí, nesse caso, a campanha dos brahmeiros está pisando num campo muito delicado... É uma bola que a gente não deve deixar rolar.


6 comentários:

Fernando Freire Jr. disse...

É verdade! Essa questão da propaganda de bebida precisa ser revista com urgência, ainda mais por essas associações com coisas "nada a ver" como o esporte. Mas o que importa é que eu tb adoro uma loura(Skol ou Itaipava - Brahma dá ardência!), amo Copa do mundo, choro nas derrotas e nas vitórias, me emociono com hino e quase chego a me descabelar!
Então, lindona, que venha mais um título e mais uma tulipa! Que eu quero é mais!!!!
Bjs!

Glória Britho disse...

Até que enfim, desaparecida! Saudades dos seus textos. Sabe o que eu gosto mais da Copa? A hora do hino, quando as câmeras passam de carão em carão alguns meninos da dar arrepios. Você viu a seleção da Itália? Aimeudeus!!!
Brincadeiras a parte, gostaria mesmo que todos vestissem a camisa do Brasil o ano inteiro, torcendo não só por uma seleção mas por um País melhor, mas, por enquanto, a gente vai levando ... levando e gemendo. Beijooossss! Passe no blog. Tem novidades.

Tais Prôa disse...

Detesto ver os campeonatos com times normais, mas a Copa do Mundo é diferente, vejo futebol o dia inteiro!!
No jogo do Brasil quase morri de tanto nervoso, ainda bem que ganhamos, pq ia ficar feio, a final era um time mt fraco. Ah e quanto a campanha da Brahma, não gosto de cerveja ainda mais ligada a esporte

Fernanda disse...

Ana, Parabéns por ter coragem de assumir que gosta de beber, mas que as empresas de cervejas não deveriam associar bebidas alcolicas com esportes, pois nem todo mundo tem a mesma sorte de beber socialmente. Gosto muito de futebol e me divirto com os jogos da copa, pois os diversos torcedores dos times brasileiros, tornam-se torcedoresde uma seleção e unem-se com um unico objetivo. Ser campeão!!!! beijos!!!

Marcio Bruno disse...

Acho um absurdo esse abuso de propaganda subliminar. www.bierboxx.com.br Pior ainda de cerveja mal feita. Se pelo menos fosse uma artesanal como as vendidas na BierBoxx que tem varios rotulos nacionais e importados, tudo bem rolar uma propaganda. Mas nem entrega em casa com hora marcada e gelada, entao nem vale a pena. Na proxima vez Aninha, faça como as pessoas que sabem das coisas, peça suas cervejas importada e artesanal pelo site ou em nosso emporio, beba moderadamente e não faça propaganda subliminar que é muio feito.

Beijos

Tatiana Maia Lins disse...

Aninha, o Mundo do Marketing tem uma coluna sobre Erros de Marketing. Acho que o que vc ecsreveu tem tudo a ver com o tom dessa coluna. Manda para eles. Eu acredito que só quando a sociedade começar a questionar em peso a coerência das associações que as marcas tentam empurrar nossas goelas abaixo é que teremos propagandas e patrocínios mais alinhados com os eventos e produtos. Adorei o texto! Vou colocar um link no www.imagemecomunicacao.com